Novo testemunho brutalíssimo e… um segredo!

No passado dia 19 de abril fui à Escola Secundária Dr. Augusto César da Silva Ferreira, em Rio Maior, a convite da estimada Professora Dulce Gaspar Fernando.

Já faço isto há muitos anos, mas sou o primeiro a admitir que ver um ginásio com mais de 200 adolescentes, com idades entre os 14 e 17 anos, é sempre intimidador.

Tenho, até, um segredo para partilhar convosco embora, em boa verdade, devesse era estar caladinho, mas pronto… como já (bem) sabem, ocasionalmente não resisto a armar-me em esperto…

Pois bem, porque têm as minhas palestras tanto sucesso junto de miúdos e graúdos?

A resposta está precisamente nos “miúdos”, que foram o meu público principal durante mais de duas décadas, antes de dar o salto para os eventos corporativos e uma audiência mais engravatada.

A verdade é que comecei por ir a escolas primárias falar sobre tubarões e, com o tempo, foram surgindo convites para ir a liceus, escolas secundárias, universidades e afins.

Em boa verdade, foi só na última década que empresas e instituições mais adultas começaram a convidar-me.

Agora imaginem o que é falar sobre tubarões a crianças com 6 a 10 anos… Ou tentem contar a história da vossa vida e inspirar adolescentes entre os 13 e os 19, muitas vezes em bairros problemáticos, em que a “ida do Biólogo” constituía o ponto alto do ano lectivo.

O (tal) segredo que, eventualmente, nem deveria partilhar, é simples:

Surpreender.

Sempre.

A malta estava à espera de uma coisa e levava com outra.

Sempre que achavam que não havia mais coelhos para sacar da cartola, toma lá mais outro!

E outro.

E ainda outro!

Às tantas as minhas palestras deviam era chamar-se “Tubarões, Coelhos da Cartola e Rock & Roll”!

E pronto, está o segredo partilhado.

Ora, depois de quase trinta anos disto, não foi difícil entender que, se esta técnica mantém crianças e adolescentes cativados e atentos, seguramente também mantém adultos e quadros interessados no que um Biólogo Marinho armado em empresário e guru espiritual tem para lhes contar.

Este testemunho da professora Dulce Fernando, da Escola Secundária de Rio Maior, é um excelente exemplo desta filosofia, já que mantive duas centenas de adolescentes de secundário agarrados do princípio ao fim, atropelando até a hora de almoço!

Quando quiserem um cheirinho disto, é só mandarem um e-mail e tratamos da coisa.

Abraços!

PS – Já agora, reparem no logotipo que tenho na camisa e vão dar uma espreitadela a Loving the Planet, que está a fazer coisas bonitas pelo nosso planeta e eu vou tentando dar uma ajuda.


Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *